Criativo X Técnico: a diferença entre o empreendedor de Micro-SaaS ‘artista’ e ‘cientista’

Qual a diferença entre o empreendedor criativo e o racional no mercado de Micro-SaaS

Bruno Okamoto
11 Min de leitura
Criativo X Racional a diferença entre o empreendedor de Micro-SaaS ‘artista’ e ‘cientista’

Ter ideias ou conhecimento técnico? Saiba mais sobre os diferentes tipos de empreendedores de Micro-SaaS

Este modelo de negócio tem ficado cada vez mais popular nos últimos anos, pela facilidade e pela baixa barreira de entrada para empreendedores construírem negócios nichados pela internet.

Para os empreendedores com ótimas ideias de Micro-SaaS, o desafio está no desenvolvimento, enquanto para os desenvolvedores, sejam eles hard code ou no-code, a maior barreira muitas vezes é conseguir achar uma boa ideia, ou montar e lançar um produto simples, de forma rápida.

Quer participar da primeira e maior comunidade de Micro-SaaS do Brasil?

  • Conheça todas as novidades do mercado
  •  Faça networking
  •  Troque informações e conhecimento com profissionais de tecnologia, marketing e negócios

 Junte-se a mais de 5.000 profissionais em nossa Comunidade de Micro-SaaS BrasilConheça aquiÉ Grátis!

Infelizmente, a maioria ainda cai na mesma armadilha de construir um produto perfeito ou manter-se em busca da ideia incrível, e muitas vezes o produto acaba caindo em um limbo, e o empreendedor acaba se auto sabotando.

O empreendedor artista – criativo

Algumas pessoas são questionadoras por natureza. Outras gostam de construir negócios e procuram oportunidades em todos os momentos.

Ter ideias é questionar as coisas.

O que todas as pessoas criativas têm em comum é que elas estão sempre olhando atentamente a tudo e todos ao seu redor.

Em outro artigo, comentei sobre o empreendedor caçador de ideias, que está sempre construindo hipóteses e desvalidando ideias.

Em vez de construir uma ferramenta, um caçador de ideias busca validar negócios. Caça e valida oportunidades, cria hipóteses, e busca diferentes meios de quebrá-las.

Mas, esse perfil de empreendedor tem vários desafios, dentre eles:

→ Como saber em qual ideia realmente faz sentido investir para crescer como produto?

→ Como fazer pequenos testes para entender a proposta de valor, sem conseguir um MVP?

→ Buscar um sócio desenvolvedor ou encontrar freelancers?

→ Como não perder o foco de uma ideia quando se tem várias outras?

Você sabia que eu também não sou desenvolvedor?

Além de não ser desenvolvedor, também já lancei ou ajudei a lançar +350 negócios nos últimos anos – sem uma linha de código.

Na minha Startup, EUNERD, junto ao meu sócio Daniel, chegamos a faturar +3 milhões de reais sem nenhum produto. Tudo aconteceu com base em ferramentas white label (soluções prontas que usam seu branding) e ferramentas de automação no-code (ex: Zapier, Airtable, Make).

O desafio não está em lançar um produto. O verdadeiro desafio é escolher em quais ideias investir – porque, quando se tem tantas ideias, qual delas realmente vale seu esforço?

Tempo X risco

Como empreendedor não desenvolvedor, eu acredito que o melhor caminho é nunca depender de um terceiro, então, meu conselho é: ou você aprende a programar, ou você aprende a terceirizar com fornecedores através de membros da própria comunidade Nova Economia do Micro-SaaS ou de plataformas como Fivver ou Workana.

Tente ao máximo não depender de terceiros.

A equação é simples: você tem tempo? Então, aprenda a programar. Independentemente de ser hard code ou no-code, o que importa é você começar o quanto antes, e construir seu primeiro projeto – seja uma extensão do Chrome, plug-in do WordPress, ou um pequeno software para a loja do seu tio.

Agora, você não tem esse tempo ou desejo de aprender a programar? O desafio é você saber estruturar o MVP do seu produto, entender sua proposta de valor, e fazer uma boa lição de casa estudando o problema do seu cliente antes de começar a terceirizar – sempre em doses homeopáticas.

Encontrar um sócio programador também é uma boa opção. Mas, sociedade é uma faca de dois gumes. A sociedade é incrível quando funciona, e é uma super alavanca para o sucesso, mas também pode levar à completa destruição do negócio. Eu sempre recomendo deixar essa experiência para quando você já tiver clareza do seu produto, de suas habilidades e do que você espera de um sócio – com claras responsabilidades e formato de remuneração.

Dica pessoal

No mundo perfeito dos negócios digitais, o modelo ideal é você validar uma ideia e ganhar dinheiro antes de construir o produto. Pessoalmente, também sigo esse raciocínio para lançar ou investir em uma nova ideia.

Agora, e se você tem várias ideias? Deixe-as amadurecerem por um tempo, converse com várias pessoas, faça entrevistas, e guarde-as na “gaveta” enquanto você analisa diferentes perspectivas. Em seguida, vá para a parte de testes.

Tente construir landing pages, ou use ferramentas no-code para montar um produto mínimo viável e conseguir seus primeiros clientes pagantes.

O ideal é você gastar o menos possível para validar uma ideia, e fazer isso o mais rápido possível. Quando você aprender a fazer isso, vai conseguir testar e lançar projetos com muito mais facilidade e precisão.

Valide! Quando lancei meu primeiro projeto, lancei porque era minha dor, mas não validei com outras pessoas. Deveria ter ficado, em vez de 3 meses desenvolvendo, 3 meses validando e conversando com possíveis pessoas que têm a mesma dor. Teria feito o meu primeiro Micro-SaaS diferente, porque teria feito a solução dos outros e não só com as minhas e com o que eu ‘queria ter

Alex, no artigo Micro-SaaS e o poder da comunidade

O empreendedor cientista – racional

Eu estimo que entre 70 e 80% da comunidade é constituída de desenvolvedores – isso porque montar um Micro-SaaS é uma tarefa relativamente simples para quem sabe programar.

O maior desafio para o desenvolvedor está na capacidade de lançar e validar projetos o mais rápido possível.

Depois de +150 entrevistas com desenvolvedores eu percebi, depois de entrevistar tantos desenvolvedores, que o desafio está sempre na cabeça do empreendedor – seja montar um produto perfeito, ou montar o produto e não lançar. Às vezes, isso faz com que acabe até mesmo desistindo de lançar o projeto, por qualquer razão aleatória.

O mais importante para o empreendedor cientista é entender que independentemente do projeto, da ideia e do mercado que seu produto atende, ele precisa funcionar como um laboratório – permitindo aprender novas coisas.

Esses aprendizados vão encurtar demais o caminho ao lançar novos produtos no mercado.

Faça um produto rapidamente e não se preocupe tanto com a beleza dele. Faça e publique rápido. Tem um bug ou outro? Tem, mas, você pode ir arrumando no dia a dia, e evoluindo aos poucos – diferentemente de ter ele só na sua máquina, sem ninguém usar

Paulo, em estudo de caso

Quanto mais rápido você quebrar essa barreira de lançar e aprender novas habilidades, mais rápido você vai conseguir ter produtos faturando na sua carteira.

Comece resolvendo um problema seu

Famoso “Scratch your own itch”. Falo bastante sobre essa frase nos meus artigos.

A verdade é que quando você procura resolver um problema seu, fica muito mais fácil entender a dor e a real proposta de valor.

Eu vejo com bastante frequência desenvolvedores que querem resolver dores para outros mercados, e que acabam focando no produto em vez de focar no problema. Assim, o empreendedor cai na armadilha de desenvolver o produto antes de fazer o customer discovery.

Dicas para achar uma boa ideia para o seu negócio de Micro-SaaS

→ Busque ideias na própria comunidade Nova Economia do Micro-SaaS e entre de parceria. Faça isso muito mais pela experiência de construir e lançar do que pela grana, neste primeiro momento.

→ Não invente a roda. É muito mais fácil lançar algo que já existe e tem gente pagando do que construir algo completamente inovador, como um primeiro produto.

→ Quer lançar seu primeiro projeto? Se inspire em projetos que já existem lá fora. Você pode encontrar vários exemplos através de plataformas como Product Hunt, ou em plataformas de compra e venda de projetos, como Acquire ou Microns.

No final do dia, o desafio é parecido para ambos – independentemente das habilidades, todos precisam aprender e conseguir superar a parte mais difícil, que é falar com clientes, lançar produto e crescer faturamento por algum canal. Não levem os primeiros projetos a ferro e fogo. Micro-SaaS é uma excelente ferramenta de aprendizado. Se você fizer bem feito seu primeiro lançamento, sua chance de sucesso (vulgo, ganhar dinheiro) aumenta bastante. Também é importante não esquecer que é uma jornada de longo prazo. Você não vai acertar seu canal da noite para o dia, mas, não esqueça de dar pequenos passos. Mais vale você conseguir 1 cliente por mês indo na unha, do que tentar montar uma infraestrutura perfeita para aguentar um alto volume de acessos, sendo que você não tem nem ideia de como vai trazer seus primeiros clientes. Ir de 0 a 1 é a parte mais difícil e importante da sua jornada.

Compartilhe este artigo
Deixe um comentário